sexta-feira, 6 de setembro de 2019

O MEU OLHAR SOBRE A FISIOTERAPIA


Há alguns anos que a minha perspectiva mudou e percebi o quão gratificante é esta profissão
E Antes disso? Pura e simplesmente odiava!  (a parte dos exercícios, claro😀 O resto era minimizado de alguma forma, com as amizades que ia fazendo).

A Fisioterapia roubou-me muitas horas!
Na infância as que podia ter passado na brincadeira com o meu irmão e os meus primos.
Na adolescência todas as tardes e manhãs livres do horário da escola, lá eram ocupadas pela dita cuja.
No secundário era uma correria os estudos ficavam para segundo plano e em alturas mais apertadas fiz serões para os testes.
Durante muito tempo perguntei porquê tanto sacrifício? Eu não via nada de especial a acontecer! Na fase da “parvalheira” pensei muitas vezes em desistir e cheguei a “baldar-me” algumas vezes, simplesmente porque queria ter uma rotina normal como a dos jovens da minha idade. até que…
encontrei os meus primeiros anjos. 

É assim mesmo que hoje eu lhes chamo.
Estes fizeram-me perceber que a fisioterapia não tinha de ser sempre igual, que eu não era apenas mais um número. Eu era alguém com muitas capacidades à espera de serem descobertas.
Essa visão e essa proximidade fizeram com que eu começasse a ganhar gosto por a cada dia superar mais um desafio e de cada vez que era ultrapassado era gratificante ver o olhar brilhante deles.
Claro que a vida dá muitas voltas, obriga-te a sair do teu cantinho e o problema de nos afeiçoarmos a alguém, ás vezes é complicado.
De todas as vezes que aconteceu foi duro. A diferença é que eu já sabia que era daquela forma de fisioterapia que eu gostava e era assim que me sentia e sinto feliz.
De cada um deles guardo ensinamentos que me fazem querer lutar sempre:

“o que hoje é difícil amanhã pode ser fácil”.
“Não tenhas medo de dar um passo atrás para depois dares dois em frente”.
“Qualquer idade é boa para aprender, até o mais básico”.

A verdade é que hoje, graças a todos eles, sem esquecer a persistência dos meus pais, dá-me um gozo enorme desempenhar uma vida normal dentro da minha “anormalidade”.
Hoje com 29 anos continuo a fazer e com muito prazer.
Não estou à espera de milagres porque nem todos os dias me correm bem, e por causa disso tiro-lhes o chapéu, pelo tamanho da paciência que lhes fez e faz, terem a capacidade de persistirem e não desistirem de mim. Faço porque é o meu refúgio dá-me energia e alento para o resto dos dias. E eu sei que darei o meu melhor para continuar a contrariar o que supostamente me estava destinado, enquanto tiver ao meu lado quem aceite trilhar este caminho comigo.

ABENÇOADA FISIOTERAPIA E ABENÇOADOS FISIOTERAPEUTAS QUE AMAM O QUE FAZEM E PRIMAM PELA DIFERENÇA 💓💓💓

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Medos e afins

Há uns dias atrás vi esta frase: tudo o que queres está do outro lado do medo". Não dei grande importância até que, 2 dias depois,revivo uma experiência e horas depois percebo o sentido da frase.
No entanto, o que normalmente tenho não é medo propriamente dito. Medo real tenho apenas um. O resto parecem-me mais receios.
São esses receios que, de certa forma, me entristecem pelo simples facto de não me permitirem viver em pleno certas experiências, que são boas, mas que só percebo isso quando a experiência está a terminar.
Enfim!
Juro que dava jeito que o meu cérebro tivesse vindo com livro de instruções e de preferência numa língua que eu percebesse.
Como eu sei que isso não vai acontecer, terei ser eu a ensinar lhe a lidar com novas situações.
Sem pressa e com paciência pois o caminho faz-se caminhando.

domingo, 11 de novembro de 2018

Há uma linha que separa

Aquilo que eu sei que tenho de fazer, daquilo que o meu corpo "quer" fazer.
Pode parecer algo sem sentido, mas é assim que, ultimamente, sinto que está a acontecer.
Tenho um cérebro que sabe e percebe o que tem de fazer e depois tenho um corpo que me dá a sensação de não me pertencer, ou se me pertence não o conheço nem o consigo compreender.
É quase como se o meu corpo fosse um adolescente rebelde com a mania de que quer, pode e manda e o cérebro é aquela mãe que não percebe nada.
Este é um facto que realmente me entristece, pois tenho consciência que deveria ser um trabalho conjunto de corpo e mente e não o é.
Mais ainda pelo facto de não conseguir fazer com que, aqueles que vivam comigo, percebam que para mim também é complicado,até porque sou eu a dona deste corpo.
Eu também não compreendo como é que num dia sinto-me bem, tranquila e no outro o corpo está pesado e já não sabe como fazer cada movimento da forma mais natural possível.
Começo a achar que durante a noite alguém faz um Reset aos meus comandos e apaga tudo o que assimilei durante o dia.

Piadas à parte e, voltando à realidade não sou nem quero ser nenhuma máquina que executa apenas comandos gravados.

Quero sentir e viver com um corpo minimamente funcional (dentro das minhas limitações) em que cada parte "obedece" ao meu comando e cumpra com a sua função para deixar de me sentir estranha, dia sim dia não.

Gostava que não fosse pedir muito e até pode ser que, se se portar bem, comece a pensar que ele até é bonito!
Mas um dia destes a gente conversa sobre a minha, ou melhor, a relação do meu corpo com o espelho :)

sábado, 20 de outubro de 2018

A PC Não é nenhum "bicho de 7 cabeças"

Ao contrario do que muitos possam pensar e por isso lá vem o dia para lembrar.

Mais do mesmo, outra vez.
E pelos vistos vai ser preciso continuar a lembrar, porque ainda há profissionais de saúde que acham que isto é uma doença.
Ainda há pessoas que acham que ter paralisia cerebral é o mesmo que ser deficiente mental, incapaz de ser ou de fazer o que quer que seja.
E eu a achar, aqui do alto dos meus 28 anos, que já não ia ouvir semelhantes coisas (estou indecisa entre chamar peripécia ou barbaridade).
Bem, tem alturas que eu ignoro (dependendo de quem o diz ou até do meu estado de espírito), mas tem outras que eu só me apetece “saltar a tampa” e só não o faço, pelo local onde estou e porque não quero padecer de falta de respeito.
Sendo eu, um exemplo vivo de que uma pessoa com PC pode fazer uma vida normal dentro das suas limitações, fico extremamente zangada quando vejo qualquer profissional (de qualquer área) a ser o primeiro a desistir de uma criança, sem se preocupar em explorar as suas capacidades.

É fácil? Não!
É preciso perder tempo? Sim, e muito!
É preciso Paciência? Imensa (Até ao infinito e mais além) :D
E grandes doses de motivação (como qualquer ser humano precisa para alcançar os objectivos) e, digamos que eu não fujo à regra.

Mas se os meus pais não fossem à procura de mais respostas, se os meus pais não explorassem a minha inteligência e apenas se resignassem com as palavras de um médico, provavelmente estaria “presa” a uma cadeira de rodas e não teria a independência que tenho hoje e não teria conquistado coisas que aos olhos de muitos continua a parecer um feito extraordinário, como o fato de conduzir um carro e de ter um trabalho.

A PC é uma condição para a vida toda, por isso mesmo continuo o trabalho para manter o que consegui até agora e sempre com predisposição para aprender (como se fosse a primeira vez), porque nunca é tarde para o fazer e não há uma idade limite para se adquirir competências.
Enquanto tiver quem aceite trilhar este caminho de luta diária por melhores condições e independência, eu continuarei a caminhar e a provar que, nem diagnóstico, nem uma condição tem de ser sinónimo de um rótulo “tipo chapa 5”, para o resto da vida.
Que os pais nunca se cansem de procurar o melhor para os vossos filhos.

"CATIVA-ME, MOTIVA-ME E VERÁS ATÉ ONDE SOU CAPAZ DE IR"

sábado, 14 de julho de 2018

Felicidade

Mais do que ter. eu quero ser!
Alguém capaz de acordar todos os dias com vontade,
De fazer algo para que esse dia seja melhor do que ontem,
Agarrando o presente com olhos postos no futuro.

Consciente de que esse amanhã será o reflexo das minhas acções,
Enquanto tiver vontade de viver,
Enquanto for capaz de lutar,
Acreditando que o esforço conduz ao sucesso,
Poderei não ter muita coisa,
Terei, certamente, razões para me sentir feliz.

domingo, 17 de junho de 2018

E os 28 batem à porta...

E a mim ainda me custa acreditar.
Eu bem sei que os anos andam e que, a partir de uma determinada altura, passam a correr e nem nos damos conta.
A verdade é que houveram momentos em que eu não imaginei estar a viver como nos últimos dois anos, de uma forma tão intensa e tão livre.

Acordar de manhã e perceber que a minha vida é tão comum como o de outra pessoa qualquer deixa me radiante.
Saber que tudo o que tenho, tem a marca do meu empenho e da dedicação de todos os que comigo caminharam e caminham hoje, motiva me ainda mais.
Mas isto são tudo etapas de construção de uma independência com a qual sempre sonhei.

Se nem tudo correu como esperado, claro que não!
Tomei decisões erradas, claro que sim!
Mas ser adulta e independente é isso mesmo. É ter a capacidade de tomar decisões e de dar a volta por cima quando não é o que se espera.
Tudo isto são etapas carregadas de ensinamento para nos fazer crescer e amadurecer.
Podia ter-me resignado? Podia, mas não foi assim que moldaram o meu carácter.

Aceito-me, sim, como sou e aprendi a lidar com isso.
Mas não desistirei de lutar por mim todos os dias, de dar o meu melhor, não só em sinal de admiração e respeito por todos aqueles que fizeram de mim o que sou hoje, mas também porque gosto de mim e quero ser capaz de concretizar todos os meus sonhos.

terça-feira, 1 de maio de 2018

O bom profissional

Hoje celebra-se o dia do trabalhador, embora isso somos todos, uns mais outros menos. Mas hoje também se celebra o dia de S. José Operário. E neste caso acredito que se possam contar pelos dedos aqueles que são dedicados, zelosos, e que tentam dar sempre o seu melhor a cada dia, à semelhança de S. José.

Por isso considero mais do que justo e merecido prestar-lhes um agradecimento.
Obviamente que há profissões com as quais estou mais habituada a lidar com mais regularidade e daí ter uma maior percepção de quem é ou não bom profissional.

Porque o que define um bom profissional vai muito além de cumprir horários.
Um bom profissional: aceita qualquer desafio, por mais difícil do que possa parecer, tentando sempre dar o seu melhor.
vai à procura de respostas no sentido de tentar sempre a melhor a solução
desempenha as suas funções com dedicação
transmite alegria.

O meu obrigada a todos aqueles que nos recebem com um sorriso rasgado mostrando que o trabalho não é um fardo, mas sim puro prazer.
Obrigado pela dedicação que aplicam pois assim conseguem com que nos sintamos todos motivados a dar o nosso melhor.

UM FELIZ dia para todos vocês